Rodrigo Pastor Alves Pereira

Saúde Coletiva e Medicina de Família

Disciplinas de Rodrigo Pastor Alves Pereira

MED396-Internato em saúde coletiva

Obrigatória


EMENTA:
Propiciar ao aluno a prática em Saúde Coletiva através de projetos especiais e pesquisas de campo em Saúde Pública,utizando-se ainda do atendimento sob supervisão em atenção básica de pacientes em serviços básicos de saúde, de avaliação e acompanhamento da Gestão e Planejamento em Saúde e Vigilância em Saúde, e de técnicas em Educação em Saúde.


Para acessar o conteúdo da disciplina, digite a senha:
Senha:


Medicina de Família e Comunidade

Obrigatória


OBJETIVOS GERAIS

Ao final da disciplina o aluno deverá ser capaz de:

1.     Conhecer o conceito de Atenção Primária à Saúde e os princípios da Medicina de Família e Comunidade

2.     Aplicar a medicina baseada em evidências em suas ações individuais e coletivas

3.     Analisar a influência dos princípios da Medicina de Família e Comunidade no tipo de assistência prestada ao paciente, família e comunidade.

4.     Descrever, realizar e analisar genograma, practice, ecomapa, estudo do ciclo vital e conferência familiar.

5.     Descrever, realizar e analisar atendimentos individuais baseados no Método Clínico Centrado na Pessoa

6.     Descrever, realizar e analisar registros em prontuário baseados no modelo de Registro Médico Orientado ao Problema

7.     Organizar a prática de referência e contra-referência no serviço

8.     Selecionar e organizar as melhores práticas de rastreamento de doenças e prevenção primária para a população adscrita.

9.     Realizar rastreamento, aconselhamento e tratamento do uso de álcool e tabaco

10.  Realizar orientação individual e coletiva para a prática de atividades físicas

11.  Conceituar e aplicar a prevenção quaternária em ações de saúde individual e coletiva

12.  Identificar pacientes e famílias com necessidades de atenção domiciliar, realizar atendimentos em domicílio, elaborar planos de cuidado para pacientes atendidos em domicílio

13.  Criar um protocolo de cuidados para uma situação prevalente no local de estágio

 

PROPOSTA DE SEMANA PADRÃO E CARGA HORÁRIA DA DISCIPLINA

Atividade

Carga horária semanal

Atenção à saúde em grupos programados

1 hora

Procedimentos em APS

30 minutos

Assistência domiciliar

1 horas

Atenção individual (professor atendendo)

30 minutos

Atenção individual (aluno atendendo)

2 horas

Treinamento de habilidades psico-motoras e psico-afetivas

1 hora

Aulas teóricas (exposição dialogada)

2 horas

Discussão de casos/objetivos de aprendizagem

1 hora

Total

9 horas

 

 

DIVISÃO DAS TURMAS

A turma de 40 alunos será dividida em 4 (oito) sub-turmas de 10 alunos, que ficarão cada uma sob a responsabilidade de um professor. Em sua prática de campo os alunos de cada sub-turma se dividirão em  5 duplas e participarão, sob supervisão direta, das seguintes atividades assistenciais: acolhimento, atendimento individual a consultas de demanda espontânea (agudos), atendimento individual a consultas programadas, organização/planejamento das atividades da UAPS, reuniões de equipe multidisciplinar, atendimento domiciliar, atendimentos individuais de consultas de grupos específicos (hipertensão/diabetes, puericultura, prevenção de câncer, pré-natal).

Atendimento: 14/03/16 a 24/06/16 

 

DIVISÃO DA CARGA HORÁRIA DA DISCIPLINA

 

AVALIAÇÃO SOMATIVA DA DISCIPLINA

1)     Serão aplicadas provas teóricas no meio e final do semestre, com valor respectivamente de 20 e 20 pontos.

2)     Durante o semestre serão aplicadas 2 provas práticas. As provas práticas serão feitas de acordo com a modalidade de atenção (domiciliar, individual, planejamento e etc...) na qual o aluno foi inserido no período. Cada prova terá o valor de 10 pontos (Anexo 1).

3)     Serão ainda distribuídos 15 pontos para avaliação do professor em critérios de interesse, participação, assiduidade, pontualidade, relação com a ESF, relação com os pacientes, metacognição e aprendizagem ativa (Anexo 2).

4)     Ainda, como trabalho de conclusão da disciplina, será avaliado o protocolo de cuidados criado pelo grupo para uma situação prevalente na unidade (20 pontos), que será apresentado no Encontro Didático Científico do curso (pontos a serem avaliados: transcendência do problema na APS, organização e clareza das recomendações para os profissionais, qualidade das evidências apresentadas).

5)     Por fim, será avaliada com 5 pontos uma atividade artística desenvolvida pelo aluno (ensaio, música, crônica, poema, foto, filme, pintura e etc...) que tenha como foco a prática médica. 

 

 

 

 

 

AVALIAÇÃO FORMATIVA DA DISCIPLINA

Durante o semestre o professor deverá, de 2 em 2 meses, fazer um processo de feedback do desempenho do aluno, tendo como base a planilha do Anexo 2.

 

 

AULAS TEÓRICAS (LOCAL: DECME, HORÁRIO: 19:50-21:40)

 

1. Aula inaugural- Prof. Rodrigo Pastor  14/03/16

2. Método Clínico Centrado na Pessoa- Prof. Rodrigo Pastor 21/03/16

3. Registros Médicos Orientados ao Problema- Prof. Rodrigo Pastor 28/03/16

4. Epidemiologia Clínica- Prof. Rodrigo Pastor 04/04/16

5. Medicina Baseada em Evidências- Prof. Rodrigo Pastor 11/04/16

6. Ferramentas de abordagem familiar na APS- Prof. Leonardo Savassi 18/04/16

7. Atenção Domiciliar- Prof. Leonardo Savassi 25/04/16

8. Prova teórica 1 02/05/16 (semana de feedback dos professores)

8. Prevenção quaternária- Prof. Rodrigo Pastor (Médico residente Felipe Guerra) 09/05/16

9.  APS, MFC, ESF- Prof. Leonardo Savassi 16/05/16

10. Rastreamento, abordagem e tratamento para o uso de álcool e tabaco- Prof. Rodrigo Pastor  (Médico residente Felipe Guerra) 23/05/16

12. Aconselhamento para atividades físicas em APS- Prof. Leonardo Savassi 30/05/16

14. Prova teórica 2 06/06/16 (semana de feedback dos professores)

 

OFICINAS (local e horário de acordo com a sub-turma)

1-     Habilidades de comunicação 1: abertura da consulta e exploração dos problemas

2-     Habilidades de comunicação 2: fechamento da consulta

3-     Elaboração de busca e análise de evidências científicas para dúvidas clínicas 1

4-     Elaboração de busca e análise de evidências científicas para dúvidas clínicas 2

5-     Condução de conferência familiar

6-     Discussão de exemplos de prática de prevenção quaternária

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

OBJETIVOS EDUCACIONAIS

1.     Aula inaugural

-        Apresentar os objetivos da disciplina, assim como a sua organização

-        Dividir grupos/preceptores

-        Iniciar o processo de orientação/supervisão do protocolo

-        Refletir sobre o papel do médico/equipe/paciente na relação terapêutica

 

2.     Epidemiologia Clínica  

-     Conceituar e calcular prevalência, sensibilidade, especificidade, VPP, VPN

-        Interpretar e utilizar no raciocínio e na informação ao paciente o risco absoluto, relativo e atribuível 

-        Analisar situações para uso de testes em série, testes em paralelo e regras de predição clínica

-        Analisar a influência dos conceitos acima no raciocínio clínico e na tomada de decisão diagnóstica, com ênfase na APS

-        Conceituar e exemplificar prevenção primária, secundária, terciária, quaternária e promoção da saúde

-        Relacionar e analisar os postulados de Frame e Carlson para métodos de prevenção

-        Descrever e exemplificar os principais tipos de viéses em estudos de prevenção

-        Descrever e analisar os graus de recomendação para práticas preventivas

-        Referência bibliográfica: GUSSO G, LOPES JMC. Tratado de Medicina de Família e Comunidade. 1a. ed. Artmed, 2012. Capítulos 20 e 61 (xerox EMED)

 

 

3-     Medicina Baseada em Evidências  

-        Conceituar  a MBE e analisar a sua importância na APS

-        Descrever as características metodológicas e utilização de estudos ecológicos, caso-controle, coorte, ensaio clínico, revisão sistemática e meta-análise.

-        Descrever os níveis de evidências e graus de recomendação, correlacionando-os com o desenho dos estudos acima.

-        Realizar busca em fontes de dados primária e secundária, com a estratégia PICO. (oficina)

-        Analisar criticamente estudos encontrados na busca em fontes de dados (oficina)

-        Discutir e desenvolver instrumentos para a sistematização das dúvidas clínicas e para avaliação do uso da MBE no campo de prática.

-        Referência bibliográfica: GUSSO G, LOPES JMC. Tratado de Medicina de Família e Comunidade. 1a. ed. Artmed, 2012. Capítulo 21 (xerox EMED)

 

4-     Registros Médicos Orientados ao Problema

-        Discutir a forma de registro orientado ao problema

-        Diferenciar o registro orientado ao problema do orientado para a fonte (exercício prático com casos e prontuários)

-        Descrever e preencher corretamente os campos do POP

-        Referência bibliográfica: GUSSO G, LOPES JMC. Tratado de Medicina de Família e Comunidade. 1a. ed. Artmed, 2012. Capítulo 40 (xerox EMED)

 

5-     Método Clínico Centrado na Pessoa

-        Analisar a importância da relação profissional-pessoa na prática da APS

-        Descrever os modelos de relação profissional-pessoa e sua influência no comportamento de ambos e nos desfechos dos problemas de saúde.

-        Descrever as etapas de estruturação da consulta, assim como os objetivos de cada etapa (utilizar o modelo de Calgary-Cambridge de consulta)

-        Analisar a qualidade da interação profissional-pessoa, segundo os objetivos de cada etapa da consulta

-        Descrever, exemplificar e utilizar oportunamente as seguintes habilidades de comunicação na consulta: escuta atenta, utilização de encorajadores verbais e não-verbais, postura corporal, silêncio, eco, reflexão sobre os sentimentos, sumarização, parafraseamento, perguntas fechadas, perguntas breves, busca de sentimentos direta, busca de sentimentos indireta (impacto na vida, auto-avaliação, impacto em outros, crenças sobre o problema), trabalho com sentimentos (nomeação, compreensão legitimação, suporte, parceria, respeito).

-        Identificar as principais correntes teóricas dos métodos de abordagem clínica centrada na pessoa

-        Diferenciar doença e enfermidade e analisar a influência dessa diferença na relação profissional-pessoa

-        Utilizar o conhecimento do contexto da pessoa na compreensão do problema de saúde e na construção do projeto terapêutico

-        Agir de maneira negociada com a pessoa na construção do projeto terapêutico, explicitando os seguintes pontos: definição do problema da consulta, definição de metas e prioridades, definição do papel do profissional e da pessoa

-        Identificar as possibilidades de promoção e prevenção em cada encontro com o paciente/pessoa

-         Utilizar oportunamente o tempo da consulta diferenciando “time”e “timing” da pessoa, oportunidades para o trabalho em equipe, oportunidades de uso de recursos comunitários.

-        Referência bibliográfica 1: Stewart, M et cols. Medicina centrada na pessoa: transformando o método clínico, 2a. edição. Ed. Artmed. Capítulos 1 e 2

-        Referência bibliográfica 2: Pendleton, D; Schofield, T; Tate, P; Havelock, P. A nova consulta. Ed. Artmed. 1a. ed. Capítulo 6 (XEROX EMED)

 

6-     Ferramentas de abordagem familiar na APS  

-        Conceituar “família” e analisar a mudança conceitual e sua influência na prática profissional 

-        Descrever os os tipos de família 

-        Descrever e analisar a influência da família na saúde individual e coletiva 

-        Descrever, caracterizar e exemplificar os níveis de interação de profissionais de saúde com  as famílias 

-        Descrever, , caracterizar, aplicar e analisar um genograma,  

-        Descrever, caracterizar, aplicar e analisar um ecomapa

-        Descrever, caracterizar, aplicar e analisar  um ciclo de vida familiar e individual

-        Descrever, caracterizar, aplicar e analisar um PRACTICE

-        Descrever, caracterizar, aplicar e analisar um FIRO

-        Descrever, caracterizar, aplicar e analisar um APGAR familiar

-         Descrever, caracterizar, indicar o uso, aplicar e analisar uma conferência familiar 

-        Referência bibliográfica 1: Asen, E; Tomson, D; Young, V; Tomson, P. 10 minutos para a família: intervenções sistêmicas em Atenção Primária à Saúde. Ed. Artmed. 1a. ed. 2012, capítulo 2. (Xerox EMED)

-        Referência bibliográfica 2: capítulo PROMEF (Xerox EMED)

 

7-     APS, MFC, ESF

-        Descrever os atributos da Atenção Primária à Saúde (APS) e reconhecer sua importância na organização dos sistemas de saúde

-        Descrever diferentes formas de se organizar a APS em sistemas de saúde internacionais (EUA, Inglaterra, Canadá, Cuba, Austrália, Espanha, Portugal) e analisar as diferenças das funções dos médicos generalistas nesses países e no Brasil

-        Descrever os princípios da MFC e analisá-los na sua prática

-        Descrever o contexto político de criação e expansão da ESF e analisar a influência do cenário político ideológico em sua configuração

-        Descrever a organização da Estratégia Saúde da Família

-        Analisar a ESF como modelo de APS no Brasil, elencar e analisar seu pontos fortes, fracos e desafios.

-         Descrever o conceito de Thomas Kuhn de mudança de paradigma na ciência e na medicina

-        Descrever as anomalias do paradigma biomédico para explicar a realidade

-        Descrever e analisar o paradigma biopsicossocial na prática médica

-        Descrever a teoria geral dos sistemas

-        Exemplificar o uso da teoria em problemas de saúde

-        Referência bibliográfica 1: GUSSO G, LOPES JMC. Tratado de Medicina de Família e Comunidade. 1a. ed. Artmed, 2012. Capítulos 1, 4, 5,7 (xerox EMED)

-        Referência bibliográfica 2: Mc Whinney, I ; Freeman, T. Manual de Medicina de Família e Comunidade. 3ª.ed  Ed. Artmed. Capítulo 5

 

 

9. Rastreamento, abordagem e tratamento para o uso de tabaco

- Descrever a magnitude e transcendência do tabagismo no Brasil e no mundo

- Identificar e analisar os principais fatores de risco para o tabagismo

- Relacionar as principais morbidades que o tabagismo atua como fator de risco

- Descrever a estratégia de 5 A’s para a cessação do tabagismo

- Descrever a abordagem para o fumante em período pré-comtemplativo, comtemplativo, de ação e  de prevenção de recaídas

- Descrever os principais tratamentos farmacológicos e não-farmacológicos para o tabagismo e justificar o seu uso em casos clínicos.

- Referência bibliográfica: GUSSO G, LOPES JMC. Tratado de Medicina de Família e Comunidade. 1a. ed. Artmed, 2012. Capítulo 223 (xerox EMED)

 

10. Rastreamento, abordagem e tratamento para o uso de álcool

- Descrever a magnitude e transcendência do uso de álcool no Brasil e no mundo

- Analisar o papel das relações culturais no uso do álcool

- Discutir o papel do médico de APS em relação ao uso de álcool nas comunidades

- Identificar e discutir a acurácia e utilidade dos instrumentos para o rastreio do uso nocivo de álcool

- Descrever e exemplificar os padrões de uso de álcool

- Descrever a abordagem para pacientes com diversos padrões de uso de álcool

- Descrever os principais tratamentos farmacológicos e não-farmacológicos para a dependência química de álcool e justificar o seu uso em casos clínicos

- Discutir o papel da família e da comunidade na abordagem a pacientes com dependência química de álcool

- Descrever os mecanismos químicos da síndrome de abstinência de álcool

- Descrever e justificar o local de tratamento (hospitalar ou ambulatorial) para o tratamento do paciente em abstinência de álcool

- Descrever os principais tratamentos farmacológicos para a síndrome de abstinência de álcool e justificar o seu uso em casos clínicos.

- Referência bibliográfica

 

 

11. Aconselhamento para atividades físicas em APS

- Descrever e analisar o impacto da prática de atividades físicas na prevenção de doenças e promoção da saúde

- Descrever e discutir formas de incentivar práticas de atividade física na comunidade

- Discutir o papel do MFC no aconselhamento à prática de atividades físicas

- Descrever, utilizar e discutir o uso do PAR-Q no aconselhamento à prática de atividades físicas

- Descrever os campos da prescrição da atividade física

- Realizar a prescrição da atividade física para: crianças, adolescentes, portadores de hipertensão arterial e/ou diabetes, osteoartrose, idosos, gestantes e asma.

Referência bibliográfica: GUSSO G, LOPES JMC. Tratado de Medicina de Família e Comunidade. 1a. ed. Artmed, 2012. Capítulo 65 (xerox EMED)

 

12- Atenção Domiciliar

-       Conceituar e diferenciar os três níveis de Atenção Domiciliar AD1, AD2, AD3, as equipes que os realizam e os critérios de inclusão

-       Diferenciar a visita domiciliar “fim”da visita domiciliar “meio”

-       Descrever o papel de cada membro da ESF no cuidado domiciliar

-       Descrever critérios para a entrada e desligamento da assistência domiciliar

-       Discutir as peculiaridades da assistência domiciliar e como elas influenciam no comportamento do profissional médico

-       Confeccionar planos terapêuticos para pacientes em atendimento domiciliar

-       Referência bibliográfica:

-       Cadernos de Atenção Domiciliar Volumes I e II do Ministério da Saúde, disponíveis em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/cad_vol1.pdf e http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/cad_vol2.pdf

 

 

 

13- Prevenção Quaternária

-        Conceituar prevenção quaternária

-        Exemplificar na prática individual e coletiva a prevenção quaternária

-        Analisar e discutir o papel da relação entre médico-paciente-família-equipe-comunidade para a prática da prevenção quaternária

-        Analisar e discutir o contrato social entre médico e paciente em atividades curativas e preventivas

-        Analisar e discutir possíveis danos de atividades preventivas

-        Diferenciar e relacionar os termos: doenças, causas e fatores de risco

-        Referência bibliográficaGUSSO G, LOPES JMC. Tratado de Medicina de Família e Comunidade. 1a. ed. Artmed, 2012. Capítulos 24, 25 (xerox EMED)

 

14- Protocolo de cuidados

-        Construir um protocolo de cuidados para um problema relevante na ESF

-        Diferenciar protocolos clínicos de protocolos organizacionais

-        Implementar ações definidas no protocolo de cuidados da ESF

-        Avaliar a efetividade das ações implementadas no protocolo de cuidados da ESF

-        Referência bibliográfica: Werneck, M.A.F; Faria H.P; Campos, K.F.C. Protocolos de cuidado à saúde e de organizaçãoo do serviço. Ed. Coopmed, 2009. Acesso em https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/3914.pdf 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anexo 1 (atenção individual)

AVALIAÇÃO PRÁTICA- MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE

 

Serão avaliadas as seguintes habilidades:

·       Habilidades na entrevista médica: o aluno organiza a entrevista segundo o Modelo de Calgary-Cambridge e utiliza habilidades para abertura, exploração do problema, negociação e fechamento de consulta.  

·       Método Clínico Centrado na Pessoa: se o estudante utiliza todas as etapas do Método Clínico Centrado na Pessoa; consegue abordar a doença e o adoecimento, conhece e utiliza conhecimentos do contexto do paciente para a abordagem, aprimora a relação médico-paciente, negocia um plano de manejo comum do problema, incorpora a prevenção e é realista.

·       Habilidades no exame físico: segue uma seqüência lógica e eficiente, se direciona ao problema utilizando passos de triagem/diagnóstico de forma balanceada, informa o paciente, é sensível ao conforto do paciente.

·       Raciocínio clínico: ordena seletivamente, executa um levantamento diagnóstico apropriado, considera risco e benefícios.

·       Organização/Eficiência: se o estudante utiliza claramente o registro médico orientado ao problema, consegue desenvolver lista de problemas, utiliza a lista previamente preparada, atualiza a folha de rosto do prontuário.

 

 

Data: _______________

Aluno:____________________________________________________________________________

Problemas/Diagnóstico__________________________________________

Paciente:      Idade: _______________ Sexo: ____________

1a consulta  Retorno

Complexidade: Baixa      Moderada     Alta

Foco da consulta:     Coleta de dados      Diagnóstico      Tratamento      Aconselhamento

 

 

1. Habilidades na entrevista médica ( Não observado)

      1    2    3                4      5     6             7       8      9

      Insatisfatório        Satisfatório             Superior

 
 

 

Tempo do Mini-Ex: Observando: _______ min.

 

Provendo retorno: _________ min.

 

 

Grau de satisfação do professor com o exame

            Baixo 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Alto

 

Grau de satisfação do interno com o exame

Baixo 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Alto

 

Comentários:

 

 

 

 

Assinatura do professor

 

 

 

2. Método Clínico Centrado na Pessoa ( Não observado)

      1    2    3                4      5     6             7       8      9

      Insatisfatório        Satisfatório             Superior

 

3. Habilidades no exame físico ( Não observado)

      1    2    3                4      5     6             7       8      9

      Insatisfatório        Satisfatório             Superior

 

 

4. Raciocínio clínico ( Não observado)

     1    2    3                4      5     6             7       8      9

      Insatisfatório        Satisfatório             Superior

 

 

5. Organização/eficiência (  Não observado)

     1    2    3                4      5     6             7       8      9

      Insatisfatório        Satisfatório             Superior

 

 

 

 

 

 

 

Anexo 1 (Atenção Domiciliar)

Data: _______________

Aluno:____________________________________________________________________________

Problemas/Diagnóstico__________________________________________

Paciente:      Idade: _______________ Sexo: ____________

1a consulta  Retorno

Complexidade: Baixa      Moderada     Alta

 

 

1)     entendimento da família e sua dinâmica

      1    2    3                4      5     6             7       8      9

      Insatisfatório        Satisfatório             Superior

 

2)     diferenciação da visita fim/meio

      1    2    3                4      5     6             7       8      9

      Insatisfatório        Satisfatório             Superior

 

3)     uso de critérios para a VD

      1    2    3                4      5     6             7       8      9

      Insatisfatório        Satisfatório             Superior

 

4)      comunicação com o paciente visitado

      1    2    3                4      5     6             7       8      9

      Insatisfatório        Satisfatório             Superior

 

5)     preparo para a VD (leitura prévia, discussão do caso,)

      1    2    3                4      5     6             7       8      9

      Insatisfatório        Satisfatório             Superior

 

6)     duração da VD

      1    2    3                4      5     6             7       8      9

      Insatisfatório        Satisfatório             Superior

 

7)     satisfação do usuário

      1    2    3                4      5     6             7       8      9

      Insatisfatório        Satisfatório             Superior

 

8)     envolvimento do cuidador

      1    2    3                4      5     6             7       8      9

      Insatisfatório        Satisfatório             Superior

 

9)     registro adequado e encaminhamentos adequados

      1    2    3                4      5     6             7       8      9

      Insatisfatório        Satisfatório             Superior

 

10)  atualização do fichário de VD

      1    2    3                4      5     6             7       8      9

      Insatisfatório        Satisfatório             Superior

 

11)  confecção de um plano de cuidados

      1    2    3                4      5     6             7       8      9

      Insatisfatório        Satisfatório             Superior

 

 

 

 

 

 

 

Anexo 1 (Acolhimento): Texto reflexivo sobre o estágio no acolhimento da UAPS

 

Domínio das principais teorias sobre o acolhimento

      1    2    3                4      5     6             7       8      9

      Insatisfatório        Satisfatório             Superior

 

Análise crítica da adequação da teoria à realidade da UAPS

      1    2    3                4      5     6             7       8      9

      Insatisfatório        Satisfatório             Superior

 

Capacidade de atualização do RMOP

      1    2    3                4      5     6             7       8      9

      Insatisfatório        Satisfatório             Superior

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anexo 2

AVALIAÇÃO DO ESTUDANTE

 

Neste sistema, assinale a “bolinha” que mais se aproxima da avaliação realizada. No caso de haver mais de um avaliador deve-se buscar, se possível, um consenso.

1.1. Relação Médico-paciente

não consegue entender a situação do paciente/família; não ouve: intervém inadequadamente, não sabe ganhar a confiança (atende de porta aberta, não cumprimenta, etc.)

0 0 0 0 0

consegue ver a situação do ponto de vista do paciente; sabe ouvir o paciente e intervém quando adequado; busca ganhar e manter a confiança do paciente (empatia)

não consegue estabelecer relação de confiança com o paciente

0 0 0 0 0

consegue transmitir para o paciente a sensação de que ele está com uma pessoa amiga e interessada em ajudá-lo (rapport)

não consegue estabelecer vínculo; paciente não segue as orientações propostas

0 0 0 0 0

consegue estabelecer vínculo duradouro

1.2. Anamnese, exame físico e registro

não consegue realizar anamnese dirigida

0 0 0 0 0

realiza coleta de dados relacionados ao problema trazido, sem desprezar outros problemas/queixas relatados ou detectados.

registra de maneira desorganizada e difícil entendimento por terceiros

0 0 0 0 0

registra de forma clara, organizada e priorizando os dados positivos ou relevantes

não realiza atitudes preventivas

0 0 0 0 0

toma atitudes com relação à prevenção

examina inadequadamente, por omissão ou excesso de procedimentos

0 0 0 0 0

examina o paciente de acordo com as necessidades do problema apresentado

não consegue desenvolver um registro organizado e que possibilite desenvolver raciocínio em cima dos dados coletados

0 0 0 0 0

consegue selecionar, organizar e elaborar os dados e sintomas significativos (lista de problemas)

solicita exames sem critérios ou desnecessários

0 0 0 0 0

solicita exames com critério e dentro da necessidade do caso

não busca informações sobre a história pessoal do paciente

0 0 0 0 0

busca e consegue ter entendimento da história pessoal na família e comunidade

não supervisiona de acordo com o esperado

0 0 0 0 0

supervisiona casos de acordo com a freqüência e dificuldades esperadas no período do curso em que se encontra

encaminha desnecessariamente, não supervisiona antes e não acompanha os casos

0 0 0 0 0

realiza estudo imediato com a freqüência e necessidade dos casos; estuda antes da supervisão

1.3. Prática médica

não tem um bom relacionamento com a equipe; não delega; não é acessível

0 0 0 0 0

tem um bom relacionamento com os integrantes da Equipe, respeitando, delegando atribuições e sendo disponível às necessidades da Equipe

não consegue resolver os problemas da demanda; não coloca limites; não é flexível às oscilações da demanda

0 0 0 0 0

tem compreensão da dificuldade de atender todos os pacientes de maneira individualizada ou todos de qualquer maneira, buscando um equilíbrio

utiliza o tempo inadequadamente, prolongando-se em situações que não exigem

0 0 0 0 0

utiliza o tempo de consulta de maneira adequada aos problemas apresentados e usa o tempo como instrumento diagnóstico

2. ESTUDO

 

 

item

Avaliação

1

Iniciativa frente ao estudo imediato

(  ) muito bom  (  ) bom   (  ) regular  (  ) ruim

2

Busca do interno à literatura atualizada para o estudo continuado

(  ) muito bom  (  ) bom   (  ) regular  (  ) ruim

3

Interesse em procurar o preceptor para discussão de casos

(  ) muito bom  (  ) bom   (  ) regular  (  ) ruim

4

Capacidade de formular questões estruturadas para seu estudo

(  ) muito bom  (  ) bom   (  ) regular  (  ) ruim

5

Capacidade de responder de maneira autônoma às dúvidas encontradas

(  ) muito bom  (  ) bom   (  ) regular  (  ) ruim

3. TRABALHOS NA COMUNIDADE

 

Utilize os itens abaixo como referência para a avaliação descritiva das atividades comunitárias.

 

·      Referencial teórico prévio sobre o assunto, percepção da sua importância.

·      Apresenta propostas para realizar trabalhos comunitários? Demonstra interesse e participa das atividades propostas pela Unidade? Apresenta motivação para as atividades comunitárias?

·      Potencialidade do estudante na área. É criativo no desempenho de suas atividades?

·      Participa de alguma reunião de entidades representativas como CLS, Associação de Bairro, Intercomunitária, Conselho Gestor Local?

·      Participa de alguma atividade de educação em saúde como grupos de vizinhança, grupos de mulheres, cursos para gestantes, grupos para adolescentes, grupos de auto-ajuda?

·      Participa das atividades de planejamento na Unidade?

·      Tem bom desempenho nas atividades que realiza? É receptivo? Identifica no seu trabalho líderes de opinião?

·      É percebido pela Equipe como um bom estudante, cooperativo, bem humorado? Tem vínculo com a Equipe de saúde?

·      Consegue finalizar as atividades no tempo previsto? Consegue articular-se para realizar atividades em mais de uma frente comunitária?

 

Comentários:

 

 

 

4. COMENTÁRIOS FINAIS:

 

Em função dos itens observados neste instrumento, procure sintetizar uma avaliação global do estudante. Para tanto, leve em consideração o conhecimento do interno, a sua atitude e suas habilidades para a realização das tarefas, ressaltando os seguintes aspectos:

 

 

 

 


Para acessar o conteúdo da disciplina, digite a senha:
Senha:


Medicina Geral de Adultos I

Obrigatória


EMENTA:

A disciplina Medicina Geral de Adultos I tem caráter integrativo articulando conhecimentos adquiridos em várias outras disciplinas. Pela primeira vez no curso o aluno deverá ter a oportunidade de em um único momento reunir conhecimentos que obteve nos períodos anteriores e empregá-los em conjunto na consulta médica ou na abordagem de situações envolvendo pacientes, seus familiares e a comunidade. A abordagem global do paciente em seus aspectos biopsicossociais pressupõe o uso concomitante de vários conhecimentos e habilidades que o aluno adquiriu ao longo do curso e que serão aperfeiçoados na relação direta que estabelecerá com os pacientes.

 

O conhecimento da dinâmica e funcionamento do sistema de saúde, futuro espaço potencial de prática será facilitado uma que vez que o principal local de aprendizado deverá ser as unidades básicas de atenção primária. Desta forma, o aluno entrará em contato ao mesmo tempo com os pacientes em seu contexto próprio de vida, as comunidades e o serviço de saúde.

 

O processo de integração entre ensino e serviço, que propicia este contexto de aprendizagem, não tem como objetivo único a formação dos alunos, mas visa sobretudo uma ação conjunta que tem como finalidade a recuperação e a promoção da saúde dos cidadãos de uma determinada localidade.  

 

A inserção dos alunos nos serviços se dará sob supervisão direta dos professores que atuarão no sentido de apoiar tecnicamente, orientar condutas diagnósticas e terapêuticas, estimular os estudos e atividades complementares, buscando sempre uma visão crítica da prática médica, dos serviços e do sistema de saúde.

 

OBJETIVO GERAL:

Iniciar o aluno na atenção ao paciente adulto no contexto da atenção primária.

 

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

a)      Desenvolvimento de habilidades que permitam a compreensão dos pacientes ou cidadãos e seus sofrimentos ou angústias em seus contextos próprios de vida.

b)      Aquisição de habilidades para o domínio do método clínico com ênfase especial no raciocínio clínico realizado a partir da anamnese e exame físico, visando à elaboração de lista de problemas ou diagnósticos, bem como a formulação de prognósticos, demandas por propedêuticas complementares e a instituição de terapêuticas.

c)      Discutir e dividir com o paciente hipóteses diagnósticas, prognósticas e formulações terapêuticas.

d)      Formação de habilidades e conhecimentos para a abordagem das nosologias prevalentes na atenção primária.

e)      Reforços das habilidades relativas às técnicas de anamnese e exame físico.

f)        Formação de habilidades que permitam ao aluno fazer uso da literatura disponível ou ter acesso a informação sobre práticas existentes e conhecidas como auxílio a solução de problemas concretos surgidos durante a prática.

g)      Desenvolver habilidades em relação práticas preventivas e promocionais no contexto da atenção primária.

h)      Realizar visitas domiciliares orientadas.

i)        Programar e conduzir atividades em grupos terapêuticos ou voltados para a educação em saúde.

j)        Planejar e executar ações de promoção a saúde de caráter individual e coletivo.

 

 

METODOLOGIA DE ENSINO-APRENDIZAGEM:

O enfoque metodológico principal deverá ser a prática clínica supervisionada. Aqui, sob a supervisão e co-responsabilidade de um professor o aluno realiza consultas médicas, solicita exames complementares, formula hipóteses diagnósticas, propõe terapias, realiza visitas domiciliares, desenvolve ações de promoção da saúde de caráter individual ou coletivo. Organizativamente propõe-se que estes alunos sejam divididos em sub-turmas de 10 sob a orientação de um professor. A disciplina, que pressupõe quinze semanas de calendário prevê a realização semanal de duas atividades práticas em ambulatórios de clínica médica, uma com quatro horas de duração e a outra com três horas, totalizando sete horas práticas. Estas atividades terão lugar em unidades básicas de saúde dos municípios de Ouro Preto e região.

 

O Conteúdo programático está disposto na forma de uma lista de problemas, condições clínicas relevantes ou patologias que deverão ser vistas até o final do semestre. Alguns destes temas serão objetos de aulas teóricas, ministradas juntamente com temas de farmacologia totalizando uma carga horária teórica semanal de 3 horas. Os demais temas deverão ser trabalhados na forma de Grupo de Discussão, com duração aproximada de uma hora. Para este GD, de posse da lista de temas do período, cada professor organizará sua própria sequência de temas. Poderá fazê-lo a partir de um caso, diagnóstico diferencial ou discussão que tenha ocorrido ou seguindo a lista de problemas sugeridos.

 

RECURSOS DIDÁTICOS:

Aulas teóricas expositivas sobre temas clínicos de maior relevância.

Grupos de discussão sobre temas clínicos realizados semanalmente com aproximadamente uma hora de duração.

Laboratório de simulação, para treinamento de habilidades.

Filmes, Audiovisuais e Internet.

Apresentação e discussão presencial ou virtual de casos clínicos.

Seminários científicos.

 

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Os conteúdos programáticos foram planejados no sentido de manter coerência, tanto metodológica quanto cumulativa em relação aos períodos anteriores, em especial no que diz respeito à semiologia médica, quanto no que diz respeito aos oitavo e nono períodos. Os conteúdos foram dispostos de forma que todos os principais problemas, aqui distribuídos por sistemas orgânicos pudessem ser vistos tanto no sétimo como no oitavo período. Dentro de cada sistema os problemas foram dispostos em função de suas freqüências de ocorrência ou relevância clínica. A lista de temas que serão ministrados na forma de 15 Aulas Teóricas (AT) e 15 Grupos de Discussão (GD) se encontra abaixo.

 

Lista de temas para Aulas Teóricas (AT) e Grupos de Discussão (GD)

 

a) Sistema cardiovascular

. Dor toráxica e insuficiência coronariana - AT

. Hipertensão arterial - AT

. Insuficiência cardíaca congestiva - AT

 

b) Sistema respiratório

. Pneumonias - GD

. Chieira toráxica (Asma e DPOC) - AT

 

c) Aparelho locomotor

. Dor lombar - AT

. Artrites - AT

 

d) Neurológico

. Cefaléias - AT

. Epilepsias - AT

 

e) Abdomem

. Diagnóstico diferencial da Dor abdominal - GD

. Dispepsias (ênfase em UPGD e Gastrites) - GD

. Pirose - GD

. Disfagia - GD

. Sangramento gastro – intestinal - AT

. Diarréias - AT

. Constipação - GD

 

f) Afecções comuns de ouvido nariz e garganta - GD

 

g) Problemas dermatológico e dos tecidos moles

. Infecções dos tecidos moles - AT

 

h) Sistemas renal e urológico (+ eletrólitos, acido-basico e gases)

. Disúria - AT

. Hematuria e Cólica nefrética - GD

. Poliúria - GD

. Proteinuria - GD

 

i) Hematológicos

. Anemias - AT

. Anormalidades dos glóbulos vermelhos - GD

. Anormalidades dos glóbulos brancos - GD

 

j) Problemas endócrinos e metabólicos

. Obesidade - GD

. Hiperglicemia e Diabetes Melitus - AT

. Dislipemias – GD

 

AVALIAÇÃO

Distribuição de pontos:

a.  Avaliação final (prova escrita): 30 pontos. 

b.  Discussão de casos ao longo do período: 10 pontos. 

c.  Avaliações parciais (1 ou 2), escritas ou orais: 20 pontos. 

d.  Conceito: 20 pontos. 

e. Prova prática ou avaliação OSCE – 20 pontos

 

BIBLIOGRAFIA RECOMENDA

 

1)      Bibliografia principal

 

1) Kasper DL et al. Harrison's Principles of Internal Medicine, Mc Graw-Hill, 17th ed, 2008. Livrotexto.

2) Wyngaarden JB; Smith LH. Cecil. Textbook of Medicine. Saunders 23rd ed. 2008. Livro-texto.

3) Goroll AH; Mulley AG. Primary Care Medicine: Office Evaluation and Management of the Adult Patient. Lippincott Williams & Wilkins 15th ed., 2005.

4) McPhee SJ & Papadakis MA. Current Medical Diagnosis & Treatment. Mc Graw-Hill, 49th ed,

 

2)      Bibliografia complementar

 

1- Duncan BD, Schimidt MI, Giugliani ERJ. Medicina Ambulatorial. Condutas de Atenção Primária Baseadas em Evidência. Porto Alegre Artmed. 3a edição, 2004. 

2-  Lopes A C. Tratado de Clínica Médica. 1ª ed. São Paulo: R

 


Para acessar o conteúdo da disciplina, digite a senha:
Senha:


Prática em Serviços de Saúde I

Obrigatória


EMENTA:

Conceito de saúde; História das políticas de saúde no Brasil; Atenção Primária à Saúde (APS); Estratégia Saúde da Família (ESF); Sistemas de Saúde comparados; Diagnóstico comunitário.

 

OBJETIVOS:


- Identificar as diferentes concepções de saúde e seus reflexos na organização de um sistema de serviços de saúde.
- Reconhecer os principais marcos históricos e políticos do sistema de saúde brasileiro
- Descrever e caracterizar os princípios doutrinários e organizacionais do SUS
- Relacionar os princípios do SUS com a organização do sistema de saúde a nível municipal, estadual e federal.
- Discutir a relação entre os serviços públicos e privados no sistema de serviços de saúde brasileiro
- Descrever os atributos da Atenção Primária à Saúde (APS) e reconhecer sua importância na organização do sistema de saúde.
- Utilizar instrumentos de pesquisa de campo (quantitativos e qualitativos) para avaliar o cumprimentos aos princípios
doutrinários e organizacionais do SUS e dos atributos da APS.
- Reconhecer as principais características do financiamento, regulação, normatização e provisão de serviços de saúde dos sistemas de saúde francês, canadense, inglês, norteamericano, cubano e argentino.
- Comparar o SUS com outros sistemas de saúde (acima citados).
- Identificar um tema de interesse e preparar apresentação oral de revisão não sistemática sobre o mesmo.


Para acessar o conteúdo da disciplina, digite a senha:
Senha:



©2010 Curso de Medicina - Universidade Federal de Ouro Preto
Desenvolvimento: Optilog Sistemas e Consultoria
Todos os direitos reservados